Para Você que conhece tudo e tudo conhece sobre vinho

Negrette – uva que se deu super bem na região em torno de Carcassone, nos Pirineus franceses, defendida por um AOC recente, de 2005, chamado Fronton, que regula o uso de uvas não autóctones como Cabernet Sauvignon e Merlot em misturas onde a prevalência fica para a dita negrinha (negrette), vinda – dizem as linguas – com os Cruzados desde o Mediterraneo, naquela época distante.
Rabigato – uva do Douro, autóctone daquela micro região, que perfuma e dilui o pesado corpo das tintas tânicas tão apreciadas, com uma função semelhante ao que se vê, por exemplo, no Governo Toscando, onde a Malvasia ou outras uvas brancas podem entrar com até 10% no corte da Sangiovese, um pouco para aliviar o peso de seus taninos.
Ocorre que o Rabigato ganhou independência há pouco tempo e corre livre e solto em vinhos de estrutura nunca dantes imaginada nesta cepa.
Rufete – uva da Beira, usada no máximo como complemento a tantos vinhos da região, como os que frequentaram nossas gôndolas da linhagem dos Almeida Garret. Na Expovinis deste ano, um produtor – Quinta dos Termos – nos visitou e trouxe este vinho improvável de muita personalidade, 100% Rufete. E pensar que conhecíamos tudo de vinho até o amanhecer deste novo dia!

Arado animal na Quinta da Mieira
Arado animal na Quinta da Mieira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.