O dia em que o Alfrocheiro passou por cima das outras castas portuguesas

Portugueses na tascaNuma degustação do meu grupo (26º Encontro mensal), que já teve vários nomes, mas que hoje tende a se chamar Confraria WineCoachBR, foram chamadas a se apresentar em fila sete vinhos tintos da Terrinha além-mar:

O Quinta da Romaneira e o Quinta do Padrela representando o Douro;

O Herdade de Peso e o Atlantico – São Miguel Descobridores Reserva pelo Alentejo;

Opta Reserva e o Quinta do Perdigão Alfrocheiro, pelo Dão;

E finalmente o meu Beira do Interior, o Reserva do Patrão da Quinta dos Termos.

Como sempre, a degustação se deu num restaurante que tivesse a ver com a origem dos vinhos.

O local escolhido desta vez foi o Tasca do Arouche, que nos atendeu muito bem e fartamente, como sempre:

Bolinhos de bacalhau, croquetes de carne, risoles de camarão abriram os serviços com os dois brancos – o Alvarinho Via Latina, que por ser produto da VerCoop custa muito menos do que produtos similares; e o já famoso (de tanto que eu venho divulgando) Quinta da Mieira, o sucesso de sempre por onde passa!

Seguindo um modelo estabelecido, a degustação às cegas foi feita sem comida e com comida, apresentando – como sempre – resultados móveis, para cada fase.

Diferente de sempre, fizemos 2 avaliações na fase com comida, por conta do conteúdo do menú – Bacalhau Beneditine (brandade), Bacalhau da Tasca e Cordeiro da Tasca, sendo que os preparos do peixe ficaram na primeira avaliação e o cordeiro foi deixado sozinho na segunda.

Em primeríssimo lugar o Alfrocheiro da Quinta do Perdigão um Dão que recebeu 16 indicações para 1º ou 2º lugar nas 3 fases. Em segundo, empatados com a metade das indicações, o pontuadíssimo Quinta da Romaneira (Touriga Nacional e Franca +de 92 do RP) e o ótimo custo/benefício o Opta Reserva das Boas Quintas (Touriga Nacional, Alfrocheiro, Tinta Roriz).

Já sabíamos, tínhamos várias provas seguidas que nem só das Tourigas, Trincadeiras, Aragonês e outros vivia o vinho tinto português, tão apreciado com suas produções no Douro, no Dão, em Bairrada e até no Alentejo, como demonstraram recentemente a Baga e a Rufete. Já sabíamos da ótima acolhida que Portugal vinha dando para uvas internacionais, particularmente para a Syrah, em se tratando de tintos…

AlfrocheiroMas a Alfrocheira destacou-se demais. Ignorância nossa, como se pode ver pelo comentário que reproduzo, do site Wines Of Portugal:

“A casta Alfrocheiro encontra o seu território natural na região do Dão,… É uma casta vigorosa, necessitando de atenção redobrada para controlar o vigor,… Produz vinhos ricos em cor, com um notável equilíbrio entre álcool, taninos e acidez. É essa notável capacidade para reter a acidez elevada, aliada à presença generosa de açúcares, que a torna tão oportuna nas terras do Sul. Aromaticamente sobressaem os aromas a bagas silvestres, com destaque particular para a amora e o morango maduro. Por regra, dá forma a vinhos de taninos firmes mas delicados e estruturantes”.

Ignorância com o que acontece de novo, no mundo do vinho que se renovou tanto e tirou do bolso do colete condições enológicas modernas para propor autonomia e identidade a uvas como esta que só existia para vinhos simples ou para complemento de corte com uvas mais nobres.

O jantar se estendeu até a sobremesa, um pouco para nos dar a chance de brindar o acontecimento com outra estranheza vínica – um simples e delicioso Real Companhia Velha Moscatel! Simples, barato e muito bonito na sua cor de vinho rosé!

Anúncios

Pão de Açucar harmoniza com que vinho? Em Setembro, com todos.

Enquanto eu dava tratos a bola para realizar o Wine In em São Paulo, trocava idéias com o Sérgio Queiroz sem saber que ele estava maquinando montar uma coisa interessante, um passo adiante na divulgação do vinho na cidade do Rio de Janeiro. Ele e evidentemente o Marcelo Copello, seu sócio e editor de conteúdo da revista que ambos tocam juntos, a Baco, além de outras tantas atividades do mundo do vinho, um cara chamado para participar de tudo quanto é degustação mundo afora.

Quando soube já tinha passado todos os nobres conceitos da minha idealização, mas o amigo – super ético – se não comentou nada comigo sobre a sua atividade enquanto a sentiu segura, nunca deixou de respeitar profundamente minha iniciativa.

E a deles é no mínimo tão interessante quanto a minha. Compete em criatividade e eficiência, mostra uma visão mais horizontalizada, mais de efeitos imediatos, muito interessante mesmo, como pude notar in loco, ano passado, na primeira edição.

Agora, só faço reproduzir o release que recebi com as atividades, coisa boa mesmo, de divulgação para entendidos até ações para iniciantes.

Rio Wine and Food Festival 

Evento chega à sua segunda edição promovendo o Rio de Janeiro através do vinho e gastronomia 

Após o sucesso em 2013, o Rio de janeiro recebe novamente o RIO WINE AND FOOD FESTIVAL (RWFF), entre os dias 15 e 21 de setembro.  O projeto, pioneiro no Brasil, tem como objetivo atrair o grande público em torno do vinho e da gastronomia, desmistificando e democratizando a bebida. Durante os sete dias do festival, haverá eventos em toda a cidade, da zona norte à zona sul, desde o mais chique restaurante até o mais carioca dos botecos.  

A abertura será no hotel Copacabana Palace, com um jantar, onde será anunciado o melhor Sommelier do Ano. Os convidados também conhecerão a personalidade, o produtor e a revelação do ano. Ao longo da semana haverá o seminário “Vinho & Mercado”, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas. “A procura no ano passado foi tanta que as vagas se esgotaram rapidamente. Por isso, em 2014 faremos dois dias”, explica Marcelo Copello, um dos idealizadores do RWFF e sócio da Baco Multimídia. 

O movimento “Rolha Zero” não poderia faltar e este ano deverá contar com a adesão de mais de uma centena de estabelecimentos. Os clientes não pagam taxa de rolha ao levarem vinhos aos restaurantes parceiros durante a semana do festival. 

O tradicional Leilão Beneficente também marcará a semana. “Fizemos uma seleção muito especial de rótulos e temos certeza que, assim como na primeira edição, angariaremos uma quantia bastante significativa para doação”, comenta Sergio Queiroz, também mentor do RWFF.  

Uma das novidades para 2014 é uma feira de vinhos, que acontece no clube Piraquê, na Lagoa. Nos moldes tradicionais, visa aquecer o mercado brasileiro, especialmente com a presença de representantes de produtores internacionais.  

Outra ação inédita é o Rolha Viva, iniciativa da organização do Rio Wine and Food Festival para a reciclagem de rolhas com ONGs. A APCOR, Associação Portuguesa de Cortiça abraçou a ideia. Um de seus principais consultores, o enófilo brasileiro Carlos Cabral, palestrará sobre a importância das rolhas de cortiça, mais confiável peça para vedação de garrafas de vinho e com a vantagem de ser um produto sustentável.

Além da programação base, fazem parte do evento um concurso de melhor sommelier do Ano, em parceria com a ABS-Rio, palestras, jantares harmonizados, presença de chefs internacionais convidados, degustações (incluindo provas de vinhos raros), promoções em lojas, bares, restaurantes, supermercados. E, segundo a organização do festival, muitas surpresas ainda serão anunciadas nos próximos meses. Agenda completa em www.riowineandfoodfestival.com.br

Sobre a BACO Multimídia

A BACO Multimídia, idealizadora e organizadora do RWFF, é uma empresa de comunicação que tem na geração de conteúdo e nos eventos sua plataforma de atuação. Também é responsável pela edição da revista BACO, Anuário Vinhos do Brasil, entre outros produtos editoriais. É dona do Portal SimplesmenteVinho.com.br. Seu portfólio inclui ainda o programa de rádio Simplesmente Vinhos, um curso de vinhos via celular, mídia digitais e uma série de eventos no Brasil e exterior. www.bacomultimidia.com.br 



Programação

 

Dia 15 – segunda-feira:

– Início do Rolha Zero e das atividades paralelas;

– Início das inscrições e recebimentos das amostras para a Grande Prova Vinhos do Brasil.

– Concurso “O melhor Sommelier do Ano”, na ABS;

– Degustação de Vinhos do Porto Raros, com safras até 1867, no Mr. Lam. 

 

Dia 16 – terça-feira:

– Seminário “Vinho & Mercado” na FGV;

– Concurso “O melhor Sommelier do Ano”, na ABS;

– Jantar Oficial de abertura no Copacabana Palace.

 

Dia 17 – quarta-feira:

– Seminário “Vinho & Mercado” na FGV;

 

Dia 18 – quinta-feira:

– Feira Show no clube Naval (Piraquê);

– Degustação Brasil de Guarda: uma degustação voltada a apresentar que o Brasil tem vinhos de qualidade e já com idade avançada. Algo desconhecido por grande parte da população;

– Prova “Brasil x Resto do Mundo”- Uma degustação às cegas comparando a qualidade do vinho brasileiro com outras regiões produtoras;

– Final do concurso de design de garrafas;

– Final do concurso de design de rótulos.

 

 Dia 19 – sexta-feira:

– Degustação Triplice Exellence Fournier: vinhos da Argentina, Chile e Espanha, das vinícolas do produtor José Manuel O. Founier, com garrafas de sua reserva pessoal, incluindo Magnums de safras antigas, no Mr. Lam.

 

Dia 20 – Sábado:

– BACO vai ao CADEG.

 

Dia 21 – Domingo:

– “Vinho & Bossa” – Almoço Musical Harmonizado

– Leilão Beneficente no Fasano.

 

OUTROS – Atividades paralelas e virtuais:

– Wine Bus: ônibus que circulará em pontos turísticos e locais de eventos, oferecendo “carona” regada a vinhos aos turistas e participantes.

– Apresentação do Enoviajante: dentro de seu motorhome, ele contará a experiência de dar a volta ao mundo para conhecer vinícolas.

– Diversos lançamentos de livros, aulas e degustações em pontos como livrarias, casas de cultura, promoções de vinhos e correlatos em bares, lojas e supermercados;

– Grande Prova Vinhos do Brasil: a maior prova de vinhos brasileiros, que ano passado bateu record ao reunir 855 vinhos nacionais. Acontece de 6 a 10 de outubro no Rio;

– Reciclagem de rolhas;

– Reciclagem de garrafas.